Topo
Coworking

Coworking

Startup cria app que agiliza atendimento por agentes de saúde

Coworking

13/10/2019 04h00

O SUS conta hoje com cerca de 250 mil agentes comunitários de saúde acompanhando a população, segundo dados do Ministério da Saúde. Para ajudar esses profissionais, a startup ePHealth pensou num aplicativo totalmente integrado com os sistemas do governo.

Funciona da seguinte maneira: o agente de saúde cadastra a população do município na plataforma, após visita à casa dos moradores, e então passa a acompanhá-lo todos os meses.

Quem tem alguma necessidade especial recebe atenção prioritária. É o caso de crianças que precisam de vacinas, gestantes, hipertensos, diabéticos, idosos e pessoas que usam medicamento contínuo, por exemplo.

O sistema criado pela ePHealth também permite ao profissional dar nota de risco de vulnerabilidade familiar, traçar rotas de visita por cada condição de saúde, criar alertas de pacientes não visitados e avisos de campanhas de saúde (Setembro Amarelo, Outubro Rosa, Novembro Azul), entre outras funções.

A startup já conta com 23 mil agentes comunitários de saúde ativos em 3.000 cidades do país. São mais de 1,5 milhão de pessoas monitoradas e 10 milhões de visitas domiciliares realizadas pelo aplicativo. Além disso, pretendem chegar a atender mais de 100 prefeituras, que contrataram a versão completa até o final de 2019.

De acordo com o relatório Brazil Digital Report, o sistema de saúde brasileiro ainda não atende aos padrões da OMS devido, por exemplo, ao atraso de registros eletrônicos – 45% das unidades de saúde ainda utilizam prontuários em papel. 85% das cidades não possuem equipamentos necessários para implementar prontuários médicos eletrônicos.

A Organização Mundial de Saúde defende que a forma mais eficiente de reduzir custos e melhorar o setor da saúde é aperfeiçoar a atenção básica, ou seja, a prevenção – responsável por se antecipar a até 80% dos problemas.

Sobre o Blog

Soluções para uma vida cada vez mais complicada. É isso que jovens empresas da tecnologia buscam, mas nem todas conseguem "mudar o mundo" como prometem. Este espaço do Tilt é para contar essas novidades e também alguns fracassos que nos ensinam a seguir e melhorar.

Coworking