Topo
Coworking

Coworking

Se você é nerd e bebe chope, já pode se servir sozinho usando a Alexa

Coworking

03/11/2019 04h00

Você já imaginou uma chopeira inteligente na qual apenas pessoas autorizadas podem abrir a torneira, além de saber a quantidade de chopp bebida e pagar apenas pelos mililitros consumidos?

Essa é a proposta da Enjoy, startup criada por Danilo Oliveira e João Bortoluzzi. A chopeira possui um totem que fornece o autosserviço no qual o consumidor se serve sozinho, podendo até ser por comando de voz através da Amazon Alexa, uma vez que o aparelho é conectado à internet.

O equipamento funciona da seguinte forma: ao encostar o cartão de consumo no totem, o sistema identificará o cliente e o orientará a se servir à vontade. Durante esse momento, na tela será possível verificar a quantidade de mililitros que está sendo retirada em tempo real. Ao terminar e fechar a torneira, o totem mostrará os mililitros totais e o valor gasto.

Além disso, há uma plataforma na nuvem em que o contratante do serviço pode acompanhar toda a operação em tempo real. Com ela é possível saber quantos barris estão cheios, vazios e aguardando a entrega, além de todas as vendas copo a copo e relatório de consumo.

Recentemente a Enjoy fez uma parceria com a TIM, abrangendo, assim, a conectividade do equipamento em rede 5G. Dessa forma, é possível operar em diversos locais, até mesmo em grandes eventos com o Lollapalooza. "Com esse tipo de parceria que a gente tá fazendo com a TIM e a habilitação da rede 5G, a gente vai conseguir de fato se tornar independente das redes locais e funcionar 'plug and play' em tempo real", conta Danilo Oliveira.

A startup está no Cubo Itaú, centro de empreendedorismo tecnológico idealizado pelo Itaú Unibanco em parceria com a Redpoint Eventures. Para Danilo, "é sem dúvida nosso melhor canal de vendas e conexões principalmente com as grandes corporações" já que o produto está operando nas chopeiras da cobertura do prédio.

Sobre o Blog

Soluções para uma vida cada vez mais complicada. É isso que jovens empresas da tecnologia buscam, mas nem todas conseguem "mudar o mundo" como prometem. Este espaço do Tilt é para contar essas novidades e também alguns fracassos que nos ensinam a seguir e melhorar.

Coworking